terça-feira, 2 de maio de 2017

Para o raio que vos parta mais o Dia da Mãe!

Meus queridos filhos:

Ontem de manhã vocês perguntaram-me o que é que eu queria de presente de Dia da Mãe.
Disse-vos que não queria nada, que o Dia da Mãe não devia ser mais um pretexto para as marcas venderem coisas que na realidade não nos fazem falta nenhuma, mas que era menina para apreciar um dia de paz e sossego.
Vocês amuaram, disseram que isso não era presente, que eu tinha que escolher uma coisa para vocês comprarem.
Sentaram-se no computador e elucidaram-me sobre as ofertas disponíveis na Internet.

Tratamentos de estética, depilações definitivas, inscrições em ginásios, artigos de beleza, serviços de maquilhagem, cremes anti idade, roupas, adereços, lingerie, sapatos, máquinas de café, telemóveis e mais um monte de cangalhada inútil. Comum a todos, a promessa de deixarem qualquer progenitora com os olhos revirados de êxtase perante as generosas oferendas dos seus filhos queridos, que tanto lhe devem (confesso-me ainda ligeiramente aturdida com a promoção nos robots de cozinha da Fnac. Se eu fosse de dizer palavrões metia agora um aqui).

Ainda vocês não tinham acabado a pesquisa, já eu tinha chegado a conclusões capazes de me fazer saltar directamente para o último desafio da Baleia Azul:
Para estes senhores, as mães são umas velhas, feias, encarquilhadas, flácidas, mal cheirosas, peludas, cansadas e mal vestidas, para quem desejar um curso intensivo de boxe, um lugar cativo no Sporting ou um desconto de 50% na Gin Lovers é tão impensável como o Professor Marcelo dormir a sesta, e que têm em comum uma única ambição: serem mais giras. Seja na sala, na cozinha, no trabalho ou com as amigas, as Mães não sonham mais nada, não pensam mais nada, só em serem giras.

Isto, como é óbvio, é uma estupidez e eu apressei-me a esclarecer-vos porquê.
Quer dizer, se esses senhores acham que sou uma desmazelada com o aspecto de uma tartaruga mal amanhada deviam ver-me ao acordar.
Agora, estarem convencidos que a ideia de ficar mais gira me deixaria histérica de felicidade, isso ofende-me. Nem todas podemos, ou queremos, andar sempre impecáveis; nem todas vivemos para ser a rainha do baile. A beleza vem de dentro, não se julga um livro pela capa, e...
Foi quando vocês me interromperam:
- Mas qual é o teu problema, não gostavas de ser gira?

Ui!
Se eu não gostava de ser gira.
Os meus filhos perguntaram-me se eu não gostava de ser gira.
Meninos, cuidado, a mãe já passou dos quarenta. Perguntas dessas são perigosas, tocam aqui num nervo capaz de fazer o Etna parecer um estalinho de carnaval, percebem?
Pois se eu gostava se ser gira... Só para esclarecer, ser gira é passar os dias a cuidar de mim e ser magra e hidratada e ginasticada e elegante e cheirosa e bem vestida, certo?´
Gostava, claro. Gostava muito, era o meu sonho. Afinal é só isso que as mães querem, não é verdade? E gostava que não houvesse guerra, nem fome no mundo e de saber que a Europa não é um estado americano.
Ah, gostava mesmo. E vocês querem oferecer-me isso? Que bom!
Afinal parece que sempre me vão oferecer uma prenda. Pois seja. Aceito.
Mas para ficar mesmo gira tenho de ser eu a escolher o método. Posso, não posso?
É que descobri um inovador tratamento de SPA Caseiro e queria imenso experimentá-lo. Tem uma pequena desvantagem, os tratamentos têm de ser aplicados pelos filhotes, mas não faz mal, pois não? A mãe vai ficar gira.
Olhem, não me apetece esperar por domingo, começamos já amanhã, sim meus queridos?

O tratamento começa por volta do meio dia (mais coisa, menos coisa) com a sessão de Emagrecimento;
Está cientificamente provado que para perder peso temos que dormir bem. Por isso, quando acordarem façam o favor de ficarem quietos e calados. Agarrem-se aos telemóveis, à consola ou ao computador, não me interessa. Finjam-se de mortos. Não respirem. E não entrem na cozinha a não ser depois de eu ter acordado naturalmente. Esqueçam as aulas.

Depois do Emagrecimento passamos à Aromaterapia;
O cheiro do alho, da cebola e do refogado agarra-se-me às mãos e aos cabelos e faz-me sentir uma sopeira. Vocês já são crescidos, tratem do almoço. Ou jejuem, por mim tanto faz. Eu estarei sentada na sala com os pés em cima do sofá a ver uma série. Ou um filme. Ou a dormir, não sei, não me enervem, faço o que me apetecer.

Após os aromas, daremos então início à sessão de Manicura;
Cá em casa temos uma despensa e alguns armários onde podem encontrar o aspirador, detergentes e panos de várias cores e feitios que me rebentam as cutículas e as unhas todas. Já que eu estou a ficar gira e que vocês faltaram às aulas, limpem, lavem, arrumem e aspirem. Como deve ser. Ah, e a roupa, lavem a roupa! E estendam-na.

Para finalizar, teremos o meu favorito, o tratamento de Estética;
Como sabem, o stress faz imensas rugas. Poupem-me às vossas reclamações antes que eu fique com a tromba do Carrilho. Trabalhem calados e façam de conta que são invisíveis. Façam de conta que eu sou invisível. Não me chamem, não me perguntem nem as horas, e não me peçam nada, nem sequer licença se arrotarem.

Meus amores, no final deste dia maravilhoso acho que vou ficar tão gira que tenho que aproveitar e celebrar com os meus filhotes.
Sabem aquela festa no Urban onde tinham pedido para eu vos levar? Vou fazer melhor, vou convosco. Vamos divertir-nos à grande!

Até vou fazer o bigode e vestir um soutien. Talvez até lave os dentes.

Beijinhos

Mãe.

44 comentários:

  1. Respostas
    1. Como é que Uma Pessoa Qualquer pode ser tão genial? Beijocas!

      Eliminar
  2. Genial... porque a partir do momento que somos mães e os nossos filhos passam a ter alguma independência passamos a ser cotas, não quando eram crianças no jardim infantil, em que escreviam "a minha mãe é muito linda, veste-se muito bem etc.... " já foi esse tempo! :)

    ResponderEliminar
  3. Pois eu que tenho infertilidade, que perdi as minhas preciosas 4 gravidezes e que fiz mais 3 tratamentos de FIV sem resultado positivo, estou gorda/ inchada, com rugas, vermelha como se tivesse a Veber tintol e com o colo vazio, os braços flácidos de não agarrar ninguém... não acho piadinha nenhuma ao meu tempo livre, às refeições que não faço, aos livros de histórias que nunca contei às feridas que não dei beijinhos e às noites que nunca perdi. Trocava tudo, agora...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este texto pretende ser irónico e cómico. Obviamente ninguém quer deixar de ter filhos, mas , tendo sido mãe há somente 4 meses, às vezes gostava de ter um tempinho para mim... lamento que não tenha conseguido.

      Eliminar
    2. Maria Libano, passei por tudo isso, também fiz vários tratamentos de FIV, sem nenhum resultado, também fiquei gorda, inchada, coisa que os médicos diziam que iria ao normal, coisa que nunca aconteceu e sabe...adotei. Uma criança, cheia de problemas, que me consume as energia, que me cansa, mas que não trocava isso por nada deste mundo. É a luz da minha vida! Pense nisso. Felicidades.

      Eliminar
    3. Também me aconteceu maria libanio... Adotei 2 crianças e... Revejo-me neste magnifico texto.

      Eliminar
    4. Também me aconteceu maria libanio... Adotei 2 crianças e... Revejo-me neste magnifico texto.

      Eliminar
  4. Amei!!! O que eu me ri!!!! Obrigada por esta leitura tão boa!!!! :)

    ResponderEliminar
  5. Lamento quem desejaria ser mãe e não o conseguiu mas todo este texto é uma GRANDE VERDADE. Os dias de só são bons para o comércio Eu, detesto os dias de com data marcada

    ResponderEliminar
  6. Sem tirar nem por. Muito bom.Parabéns

    ResponderEliminar
  7. Eu não sou mãe biológica, nem nunca o serei, mas adorei este texto tão bem escrito, no contexto actual do consumismo. Obrigada por me fazer rir. :)

    ResponderEliminar
  8. Fantástico :D publiquei no face. Bom dia da mãe :D :D

    ResponderEliminar
  9. Adorei
    Sou mãe de três filhotes de 7 anos 3 anos e 8 meses.
    Aprendi a ter o meu tempo as vezes é difícil.
    Mas todos os dias tenho pelo menos uma hora só para mim é essencial para o meu bem estar físico e mental.
    Adoro o dia da mãe faz me sentir ainda mais especial.

    ResponderEliminar
  10. Genial! Não sou mãe mas identifico-me a 100% com a ideia de que temos que viver em função da "gireza"...

    ResponderEliminar
  11. Respostas
    1. Obrigada pelo carta escrita gostei .pois tenho 66anos criei 3 filhos e ja estou criando os netos que ja sao 5 de 8-7-6-5-e de 2 minha alegria ,e dia da mae uma flor com um beijinho e o que basta detesto o comercio nestes dias ,Feliz dia das maes para todas as mulheres ,pois costuma- se dizer quem nao tem filhos tem cadilhos ,beijinho

      Eliminar
  12. Adorei o texto, fez-me rir e pensar...mas mãe é mãe e como pai, que sou, estou certo que ninguém trocaria esse papel tão único na vida.
    Giras ou menos giras...simplesmente mães.

    ResponderEliminar
  13. Achei genial! Não me consegue fazer odiar o dia, apenas apreciar este tempo em que elas são pequenas e que a nossa casa parece uma casa de malucos, no bom e no mau sentido. Quanto ao apelo ao consumo e a sermos Barbies, é como as dietas e o chocolate: temos de nos sentir bem na nossa pele e fazer por apreciar a vida, só temos uma.

    ResponderEliminar
  14. Todas as Mães que souberem sê-lo de verdade e os ensinem a não ser influenciados por tudo o que à volta apela ao consumo, os filhos não embarcam nestas festividades pois o Dia da Mãe é todos os dias desde que nascemos! Claro que, para não ser um corte tão grande com o que a todos nos rodeia, pode haver um beijo mais repenicado ou uma flor, ponto.

    ResponderEliminar
  15. Adorei a sua crónica com uma dose de ironia q.b. Estes dias para tudo, só dão vantagem ao consumismo exagerado e por vezes não se perde tempo a ensinar valores. Eu que tive mãe e nunca a tive, que passava anos sem a ver, dói-me que elejam um dia para tal. Para mim (que sou mãe) dia da mãe é todos os dias. Um abraço com carinho para todas as mães, as que pariram e as que criaram. Já a minha avó dizia:- Parir é dor criar é amor.

    ResponderEliminar
  16. Sou mãe de 3, os meus mais novos escolheram uma ida a um museu para este domingo porque já sabem que penso exatamente da forma como descreveu, adorei ler :)
    Vamos fazer um fim de semana da mãe que começa hoje á noite! Mother rules ;)

    ResponderEliminar
  17. Fico muito feliz por estarmos na mesma onda: a vida é demasiado séria para ser levada a sério. Mesmo quando nos troca as voltas, como é o caso da Maria, da Turista e da outra mãe anónima, temos de lhes trocar as voltas a ela.
    Espero que continuem a gostar, muito obrigada pelo apoio.

    ResponderEliminar
  18. Está de parabéns, no final, identifiquei me consigo ás vezes apetece me mandar tudo para o c***** a sério!
    Ficar em paz e esparregar me ao comprido no sofá e esquecer que tenho tarefas a cumprir cá de casa, e o que fazer para o comer, ir buscar e levar o menino á escola, á explicação, ao inglês, ao karate e penso? Então e eu?
    Amanhã volta tudo ao mesmo, o mesmo acordar desgadelhada e revirada do avesso enfim a vida de dona de casa não é fácil para quem pensa que não se faz nada, é por vezes gratificante mas por outras esgotante.
    Enfim, minha querida adorei tudo o que escreveu, a vida de uma mãe aterefada e dona de casa é mesmo assim.
    Parabéns continue...

    ResponderEliminar
  19. Muito bom, só é pena é que não pensamos todas assim.
    Se todas pensássemos e agíssemos assim talvez o mundo mudasse mesmo.
    Eugénia

    ResponderEliminar
  20. Muito, muito bom! Até vou enviar aos meus filhos que, embora crescidos, ainda estão muito a tempo de receber este divertido "abanão" :)

    ResponderEliminar
  21. Sou mãe a tempo inteiro, de duas mulheraças de 20 e 15 anos, desde que a mais nova nasceu. Apesar de ter sido uma decisão muito pensada, pesada e analisada e de não a trocar por nada deste mundo, admito que houve e ainda há muitos dias em que só me apetece fugir, borrifar-me nas lides caseiras, nas eternas pilhas de roupa para lavar, secar, engomar, dobrar e arrumar, nas refeições feitas já em modo automático, nas boleias de e para todo o lado, de estar confinada a um mundo de 4 (mais mas pronto) paredes, entrecortado por horas atrás de um volante, de ir às compras e acabar por, invariavelmente, trazer isto e aquilo para elas e pouco ou nada para mim, de ter os meus horários regidos pelos delas, o de ter passado anos sem saber o que era poder sair sozinha com o meu marido para namorar um bocadinho e hoje em dia, as poucas vezes em que ficamos sozinhos (porque elas já têm uma agenda social mais preenchida que a nossa e volta e meia deixam-nos pendurados) já nem sabemos muito bem o que fazer. Enfim, todo este testamento para dizer que, realmente, conforme a Carla Rochazul escreve e muito bem "a vida de uma mãe atarefada e dona de casa é mesmo assim" mas que também tem imensos momentos compensadores de pura felicidade...
    Como tal, não nos ofereçam tralhas, ofereçam-nos tempo para nós, fazendo um pouco do que nós fazemos todos os dias, sem fins de semana, feriados ou férias!

    ResponderEliminar
  22. Grande mãe... Assim é que se fica gira:-)

    ResponderEliminar
  23. Não tenho filhos...mas sinto-me mãe de muitos ! Dos sobrinhos,dos afilhados, dos alunos,...até me sinto mãe da minha própria mãe agora que já tem 80 anos e a saúde debilitada... Assim sendo percebi bem, a necessidade da"prenda" em causa, além do incrível sentido de humor de quem escreveu...

    ResponderEliminar
  24. Acho que todas as mães querem e precisam de um tempinho para si próprias e enquanto os meus filhos foram crianças ou adolescentes sempre o consegui arranjar.
    Mas, também acho que se não se têm disponibilidade mental, afetiva ou emocional para abraçar esse "trabalho" a tempo inteiro e sem direito a reforma que é ser mães, mais vale não o fazer.
    Adicionalmente, acho que o tempo de ser mães, a que se refere, passa demasiado rápido. Depois os filhos partem, se forem saudáveis física e mentalmente, e vão fazer a sua própria vida. É essa a ordem natural das coisas e é bom que assim seja.
    Pelo que gosto do dia da Mãe. Gosto de receber uma flor, um perfume ou apenas um abraço ou um telefonema.
    Na verdade, não preciso de nenhum dia da Mãe, pois, enquanto mãe, todos os dias são meus, mas não vejo porque deveria estar contra um dia simbólico em que recebemos um agrado "pela nossa função de mães".
    Percebo que o seu texto é irónico e sarcástico, mas não deixa de ter subjacente uma certa ideia de "vítima", da qual não gosto e com a qual não compactuo.

    ResponderEliminar
  25. O texto tem piada pela ironia e de estar muito bem escrito, mas, como diz a Teresa Varela, não me revejo. Tenho 2 rapazes de 23 e 14. Ajudam pouco e ás vezes sinto que abusam de mim esticando até ao máximo que podem. Eu já fazia o mesmo com a minha mãe, lembro-me perfeitamente. O dia da mãe existe e comemoro-o como ainda comemoro o dia da criança oferencendo sempre alguma graça aos meus filhos, mesmo o mais velho.
    Como os sinais do tempo não perdoam e eu gosto de estar e de me sentir bem, e, porque não, gira, tudo o que me oferecerem é sempre bem vindo, seja umas horas num spa (coisa maravilhosa), seja cremes anti-rugas, seja uma flor, seja uns beijinhos. Estou por tudo e é tudo bem vindo. Ás vezes chateio-me porque eles não ajudam mais mais isso é culpa minha porque não lhes incuti devidamente esses hábitos. Mas não me sinto vitima. Adoro ser mãe e quero aproveitar todos estes maravilhosos momentos de loucura caseira. O meu drama é quando chegar a casa e não tiver nada para fazer, nem tralha espalhada nos sitios errados, nem miudos pra levar á escola, nem trabalhos de casa para acompanhar. Nessa altura espero impaciente pelo pacote seguinte: a casa cheia com os filhos, as noras e os netos que hão-de vir para me porem a casa toda em desordem outra vez em mais uns deciliosos dias que quero disfrutar por muiro tempo. Esbaforida e gira, pois claro.

    ResponderEliminar
  26. Um dia de descanso... Funciona como um oásis, parece que estamos muito perto de matar a sede de paz, mas quando chegamos perto percebemos que não passou de uma ilusão!

    ResponderEliminar
  27. Nada como criar o nosso próprio dia. Quando sinto essa necessidade de estar sozinha e de descansar, aviso cá em casa que fechei para obras e já sabem o que isso quer dizer.

    ResponderEliminar
  28. Li... sou pai... e digo alo diferente: Se tu não és gira, não sei quem seja.

    ResponderEliminar

Se também acha que, diga aqui: